3.º Curso de Direito Homoafetivo acontece em São Paulo

28 05 2010

Jovens estudantes de Direito ou recém-formados interessados em novas áreas devem ficar atentos ao Direito Homoafetivo, um campo de atuação novíssimo e que vem despertando o interesse de muitas pessoas. Tanto assim que já chega à terceira edição um curso coordenado pela advogada Maria Berenice Dias, especialista no tema.  Veja mais detalhes do corpo docente e de como participar abaixo, quem não puder fazer o curso pode buscar mais informações sobre o tema em: 

www.mariaberenice.com.br ou www.direitohomoafetivo.com.br

3.º Curso de Direito Homoafetivo

Professores:
– Ana Carlas Hamartiuk Matos – PR
– Christiano Cassetari – SP
– Daniel Sarmento – RJ
– Dimitri Sales – SP
– Luis Roberto Barroso – RJ
– Maria Antonieta Pisano Motta – SP
– Maria Berenice Dias – RS
– Tereza Rodrigues Vieira – SP
– Viviane Girardi – SP

Data: 10 e 11 de junho (5ª e 6ª feira).
Local: Rua Álvares Penteado, 151 – Centro São Paulo-SP
Modalidades: presencial, telepresencial e via internet.
Informações:
Fone: (11) 3291 9200
Site: www.aasp.org.br





Rio Oil & Gas aborda tema interessante para futuros advogados

19 05 2010

Estudantes de Direito estão sempre em busca de novas oportunidades para a carreira. E devem ficar atentos a um detalhe, escolherão uma área de atuação muito provavelmente para os próximos 30 ou 40 anos. Portanto, ficar de olho nas tendências é uma saída. Muito se discute sobre o pré-sal e o tema até ganhou contornos políticos. Não importa. Definitivamente, o segmento de óleo e gás deve ser um dos mais promissores no Brasil para os próximos anos. Muitos escritórios já se instalaram, por exemplo, em Macaé, no Estado do Rio de Janeiro,  interessados em atender as empresas de petróleo e gás. Isso inclui grandes bancas que já estão de olho neste nicho e vêm investindo inclusive na abertura de filiais.

Quem quiser conhecer melhor este mercado e avaliar as perspectivas para uma especialização deve ficar de olho no Rio Oil & Gas Expo 2010, um evento que acontece em setembro no Rio de Janeiro.  Segundo os organizadores: “Desde sua primeira edição, em 1982, a feira e conferência vêm colaborando na consolidação do Rio de Janeiro como “capital do petróleo”, já que o estado concentra 80% de todo o óleo produzido no país, além de 50% da produção de gás. A Exposição é uma importante vitrine para as empresas nacionais e estrangeiras apresentarem seus produtos e serviços, bem como, a conferência dá a oportunidade de discussão sobre os principais temas relativos às inovações tecnológicas.”

Confira mais em http://www.ibp.org.br/main.asp?View={AC0F4AD6-1B4A-4237-8D0D-B8EEDCB6354B}





Direito Sanitário pode ser boa alternativa

11 05 2010

Direito Sanitário, uma carreira nova e muito promissora, começa a chamar a atenção dos jovens estudantes de Direito. Nos últimos anos, cresceu o número de profissionais especializados, mas ainda há carência de profissionais e outra vantagem é que já existem bons programas de especialização no Brasil. Mas é bom ficar atento e buscar cursos de curta duração ainda durante a faculdade, assim dá para descobrir se gosta ou não da área e quais são as chances de se sair bem .

Leia mais sobre o assunto no livro Seu Futuro em Direito, um capítulo todo é dedicado ao tema. Veja o pequeno trecho:

“Embora seja uma área nova no Brasil, o Direito Sanitário já é tradicional no mundo inteiro. “Em Bolonha, na Itália, por exemplo, existem cursos de especialização em Direito Sanitário desde 1962″, disse a professora Sueli Dallari da USP. No Brasil, a sistematização de informações só veio no fim da década de 80, com a criação do Cepedisa (Centro de Estudos e Pesquisas de Direito Sanitário) que, além de cursos de especialização, criou um banco de dados da legislação sanitária nacional, com leis e atos administrativos das três esferas de poder, municipal, estadual e federal.”

Outra coisa, há vários cursos no mercado tratando sobre infrações sanitárias, o processo administrativo sanitário e as licitações de produtos sujeitos à Vigilância Sanitária. Fique de olho.





Nova publicação da autora

5 05 2010

Embora não seja relacionado com o mundo do Direito, não poderia deixar de dividir com vocês o lançamento de “Sai da Frente! A vida e a obra de Mazzaropi”. O livro, publicado pela Editora Desiderata, está chegando esta semana às livrarias e está tendo uma boa repercussão na mídia.

Para não dizer que nada tem a ver com o mundo jurídico, é interessantíssima a briga criada em torno do espólio de Mazzaropi logo após a morte do ator, em 1981. Houve suspeitas em relação ao testamento, briga entre os herdeiros e um leilão com resultados bem abaixo do esperado. Confira! Se quiser ver o que a imprensa anda dizendo do livro veja:

O Globo O Globo

Na CBN, em entrevista ao vivo: 

http://cbn.globoradio.globo.com/programas/show-da-noticia/2010/04/24/JORNALI

STA-LANCA-BIOGRAFIA-DE-MAZZAROPI-UM-DOS-ARTISTAS-MAIS-POPULARES-DA-HISTORIA-

DO-C.htm

Na CBN: <iframe src=’http://www.cbn.com.br/Player/player.htm?audio=2010%2Fcolunas%2Fletras_100427&OAS_sitepage=cbn/colunas/tempodeletras&#8217; width=’475′ height=’193′ marginheight=’0′ marginwidth=’0′ frameborder=’0′ scrolling=’no’ bgcolor=’#CCCCCC’/></iframe>

No jornal O Estado de São Paulo

  estadão

Na Veja: http://veja.abril.com.br/blog/radar-on-line/cultura/chato-o-chefe-da-quadrilha-dos-anoes/ 

E uma do Jornal da Tarde: http://clipping.cservice.com.br/Extranet/materia/materia.aspx?materia=3189237&canal=16831&cliente=PmIYXulYJFs=





Inglês jurídico é fundamental!

25 03 2010

No mundo globalizado em que vivemos, saber inglês é essencial. Para os advogados, no entanto, quase sempre é preciso ir mais além e dominar o chamado inglês jurídico. Ou seja, ser capaz de ler e redigir contratos em inglês, negociar e, principalmente, dominar o vocabulário técnico do Direito. Grandes escritórios exigem cada vez mais que seus advogados tenham domínio do inglês jurídico e, para atender a esta demanda, já existem no Brasil alguns cursos e escolas especializadas no ensino de inglês jurídico. Um exame criado na Inglaterra para medir o nível de conhecimento, o Toles (Test of Legal English Skills), também já pode ser feito aqui no Brasil. Um bom resultado neste exame, com certeza, valoriza o currículo de um advogado.

Uma boa novidade é o novo audiolivro da Saraiva: “Inglês Jurídico para Profissionais” (80 min – R$ 27,00). De autoria da advogada e professora de inglês Marina Bevilacqua de La Touloubre, responsável pelos cursos de inglês jurídico da Alumni, a publicação traz dicas sobre linguagem contratual, linguagem acadêmica e inglês nas relações internacionais. Com a vantagem de ser um audiolivro, o que torna o aprendizado mais prático e dinâmico.





Reportagem no Correio Brasiliense cita “Seu Futuro em Direito”

10 02 2010

 

Leia o texto publicado no jornal Correio Brasiliense do último dia 01/02, na editoria Eu, estudante:

Bioética, internet, privatizações, direito esportivo, fusões e aquisições são áreas que precisam de advogados

Camila de Magalhães

O domínio da comunicação oral e escrita é uma das habilidades mais importantes para quem pretende seguir a carreira de direito. Não é preciso nem mencionar o gosto por todas as áreas humanas, como português, história, geografia, sociologia e filosofia. Além disso, é fundamental a curiosidade e a capacidade de lidar com o novo, saber onde buscar informação, manter-se atualizado, ter formação multidisciplinar, assumir um protagonismo e não ser apenas receptor de conhecimento.

Esse é o perfil de um bom profissional, de acordo com a diretora da faculdade de direito da UNIVERSIDADE de Brasília, Ana Frazão, que lista ainda uma boa estruturação de raciocínio e argumentação. Sabendo disso, a estudante Raquel Alves, 17 anos, resolveu tentar uma vaga no curso. Ela aguarda os resultados da UNIVERSIDADE de Brasília e do Centro Universitário UDF.

Segundo Raquel, a identificação com a carreira foi o que chamou a atenção na hora da escolha. “Gosto de trabalhar com pessoas e tratar de questões complexas que exijam estar atualizada”, afirma a jovem, ao destacar que se trata de uma profissão em que será desafiada todos os dias. Direito trabalhista é a área em que pretende investir. “Conheci muitas pessoas que trabalharam tanto e foram passadas para trás porque não tinham instrução. Por isso, resolvi seguir essa área para ajudá-las.”

A procura pelo curso é grande. Mais de 638 mil estudantes se matricularam em 2008 nos 1.080 cursos presenciais de graduação em direito oferecidos no país, segundo o último Censo da Educação Superior, realizado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep/MEC). Naquele ano, pouco de mais de 85 mil concluíram a formação. Ainda assim, é um número elevado.

Na avaliação da diretora da faculdade de direito da UnB, o mercado de trabalho em Brasília ainda é bom, comparado com outras cidades. “Há muitas oportunidades nas áreas privada e pública, além de muitos concursos, mas a concorrência é cada vez maior”, observa Ana Frazão.

Aposta em novas áreas

Com as mudanças do mundo moderno, uma série de novas demandas vai surgindo e a procura por advogados especializados aumenta. Apostar nessas áreas pode ser muito proveitoso, conforme destaca a jornalista Marcela Matos, autora do livro Seu futuro em direito, relançado em janeiro. “Normalmente, as áreas mais novas têm um número menor de interessados”, revela.

Entre os assuntos mais promissores, diz Marcela, estão o direito relacionado à bioética, internet, uso de novas tecnologias, privatização, fusões e aquisições, além de regulação (água, energia elétrica, petróleo) e o direito esportivo. “As especialidades não são tão explícitas, elas foram surgindo de acordo com as necessidades.” A busca pelo direito preventivo, para evitar brigas judiciais, é crescente. Prova disso é a procura de médicos por advogados para mostrar aos pacientes os riscos de certos procedimentos.

Autoconhecimento

Depois de entrevistar uma série de advogados de renome, a autora do livro destaca que a principal orientação para quem pretende cursar direito é conhecer a si próprio para saber em que área pode se dar bem. Em algumas, como o direito eleitoral, há um estresse profundo próximo às eleições, com noites de pouco sono. “Por isso, é preciso olhar o estilo de vida que você quer levar e analisar se tem um espírito mais desbravador ou se prefere uma área mais consolidada”, ressalta Marcela.

A recomendação é começar a conhecer as áreas disponíveis a partir do terceiro ou quarto semestre. O melhor caminho, dizem os advogados, é o estágio. Lembre-se de não fazer uma trajetória única, mas passar por várias especialidades.

Seu futuro em direito

Autora: Marcela Matos

Editora Fundamento

Preço: R$ 38

Áreas de atuação

Escritórios de advocacia, consultoria jurídica, departamentos jurídicos em empresas, meio acadêmico.

Concursos públicos: juiz, promotor, procurador, defensor público, advogado público, analista judiciário.





Leia a entrevista – troca de escritório jurídico

8 02 2010

Veja o bate-papo que tivemos por email com In Hee Cho, a advogada que deixou o Machado Meyer e ingressou agora, também como sócia no Lobo & de Rizzo, e entenda quais foram as motivações para a mudança.

  Como surgiu a oportunidade para trocar de escritório?

  Na verdade, eu estava desde 1994 num escritório de grande porte, Machado, Meyer, Sendacz e Opice Advogados,  tendo sido sendo os últimos 10 anos como sócia. E, nesta posição, participei de todo o processo de crescimento do escritório.  Em 2009,  decidi mudar e procurar nova experiência no mercado. Ponderando sobre os escritórios de advocacia no segmento em que eu atuo, de fusões e aquisições, e considerando o perfil de clientes com que sempre trabalhei, depois de avaliar alternativas, eu me interessei pelas características do Lobo & de Rizzo e tomei  a  iniciativa de fazer contato com um dos sócios que eu já conhecia há muito tempo. O escritório também manifestou interesse de imediato e resultou no meu ingresso. Houve uma identidade imediata em vários pontos que considero importantes nesta fase da minha carreira.

  Mudanças como esta já fazem parte do plano de carreira do advogado de hoje ou é algo que a surpreendeu?

Creio que ainda não é usual um sócio de escritório grande fazer um movimento “solo” como o que eu fiz. No meu caso, num primeiro momento avaliei, inclusive, que possivelmente o fato de eu estar numa posição de sócia nos últimos 10 anos no Machado, Meyer poderia ser um limitador. As oportunidades poderiam ser mais restritas em escritórios de advocacia. Por esta razão, achei necessário primeiro avaliar melhor o cenário do mercado, perspectivas e os escritórios que poderiam ser compatíveis com o que eu procurava. De qualquer forma, a minha satisfação foi ter podido manter as conversas imediatamente após o meu contato com o Lobo & de Rizzo e ter havido uma contrapartida dos sócios no mesmo nível de interesse.

Como avaliar a melhor alternativa em termos de escritório?

 Na minha avaliação, tudo depende do momento profissional do advogado. Como eu disse anteriormente, felizmente eu já vinha numa trajetória de carreira relativamente bem consolidada. Isso naturalmente fez com que eu me preocupasse com a manutenção de alguns valores éticos e profissionais que sempre tentei manter na minha atuação. Também preocupei-me em poder continuar trabalhando no mesmo segmento de atuação (fusões & aquisições, atendimento a investidores estrangeiros e clientes corporativos nacionais de um certo porte). Além disso, havia necessidade de participar de um escritório onde eu pudesse agregar valor – enfim, havia uma série de condições que eu precisava encontrar no novo escritório. Assim foi no meu caso. Esses aspectos seriam, a meu ver, bem diferentes se eu estivesse com menos tempo de carreira, se não fosse sócia de um escritório renomado por muito tempo, se tivesse o desejo de mudar de atuação, etc.